terça-feira, 19 de maio de 2015

Nota de pesar da Fundação Viver Produzir e Preservar

Com imensa tristeza a coordenação da Fundação Viver Produzir e Preservar confirma a morte de dois agricultores que participavam do MOVIMENTO PELA GARANTIA DE DIREITOS NA TRANSAMAZÔNICA E XINGU. Leidiane Drosdoski Machado de 27 anos e Daniel da Silva Vilanova de 41 morreram depois de terem sido covardemente atropelados na BR-230, trecho do km 55, onde se concentrava um grupo de produtores rurais.
 
Segundo os agricultores era por volta das 22 horas da noite de segunda feira (18/05) quando o motorista de um carro modelo pálio, em alta velocidade, se dirigiu às pessoas que estavam sentadas na margem da estrada e acabou atingindo três manifestantes: Leidiane, Daniel e um adolescente de 13 anos que sofreu várias escoriações pelo corpo e foi levado ao hospital municipal São Rafael. Segundo o médico ele não corre risco de morte!
 
Quem presenciou tudo informou ainda que no momento do atropelamento a rodovia estava liberada para que os veículos seguissem viagem. O motorista que causou o acidente teria ainda de acordo com as testemunhas, a intenção de causar a grave colisão. Já que o movimento era pacífico e não foi registrada nenhuma discussão com o condutor que logo após o acidente, ateou fogo no próprio carro e fugiu em seguida na garupa de uma moto que já o aguardava. A polícia foi acionada e investiga o atropelamento.
 
A FVPP é solidária às famílias que choram a perda de dois agricultores que morreram lutando por um coletivo. Que cobravam políticas públicas para as cidades da região;
No chão que foi derramado o sangue de dois inocentes é o mesmo que foi desbravado há mais de 40 anos por gente que migrou dos quatro cantos desse Brasil em busca de dias melhores. Ao longo de todas essas décadas presenciamos e apoiamos a luta de gente simples que sobrevive da agricultura familiar e que trabalha de sol a sol em busca de um desenvolvimento igualitário!
 
Informamos ainda que o bloqueio agora acontece somente no km 27. O grupo de manifestantes que estava acampado no km 55 saiu do local por medida de segurança. Já que o fato não configura um acidente, mas uma tentativa de assassinato planejado. Os agricultores que somam mais de 500 pessoas não desistiram da pauta de reivindicação. Agora eles também exigem respostas concretas sobre o atropelamento. Querem que o condutor e a outra pessoa que deu suporte na fuga dele sejam identificados e respondam na justiça pelo crime! Reivindicamos que as autoridades governamentais atendam urgente o pedido legitimo de audiência feito pelos agricultores acampados!

Texto: Ascom da Fundação Viver Produzir e Preservar